14 de junho de 2015

DADI JANKI, A MENTE MAIS ESTÁVEL DO MUNDO



Uma ioguina indiana, Dadi Janki, de 86 anos, foi considerada pelo Instituto de Pesquisa Médica e Cientifica da Universidade do Texas, como a “mente mais estável do mundo”, porque mesmo testada em situações tensas e perigosas, seu eletroencefalograma marcou a presença constante de ondas delta, as ondas mais positivas e lentas produzidas pela atividade cerebral. Ela recebeu da ONU o título, muito raro de ser concedido, de Guardiã do Planeta, por seu trabalho em prol de mentes mais livres e pacíficas.

Quando lhe perguntaram, em sua visita a São Paulo, a receita de uma mente tão tranqüila e sem pesos, ela respondeu:

“Muito amor no coração por todos e nenhum apego por ninguém, tentar não prejudicar pessoa alguma minimamente e eliminar da mente qualquer pensamento negativo, fazendo um exercício diário e ter a certeza de que não estamos aqui à-toa, mas para cumprir o destino da evolução. Que somos caminhantes, sem dependências ou estabilidades. Quem não percebe isso se torna escravo do desnecessário e polui a mente”.

(http://vidasimples.abril.com.br/subhomes/gente/gente_234955.shtml)

Em 1978, Dadi Janki foi submetida a um teste na Universidade do Texas, nos Estados Unidos, quando então se tornou conhecida como “a mente mais estável do mundo” (suas ondas cerebrais não se alteram mesmo em situações extremas). “A maravilha é que, mesmo não entendendo inglês, consegui dar as respostas certas”, diz. Hoje, aos 86 anos, 60 deles dedicados ao estudo espiritual e à prática da meditação, Dadi é só tranqüilidade e paz. Co-diretora mundial da Brahma Kumaris – universidade espiritual com sede na Índia e mais de 5 mil centros pelo mundo -, integrante do grupo Guardiões da Sabedoria e criadora da Fundação Janki de Pesquisas para Saúde Global, em Londres, ela nos recebeu vestindo branco por dentro e por fora, sem solenidades, sem as vaidades comuns à maioria das mulheres. Seu discurso encanta pela pureza e ensina que as mudanças possíveis ao mundo começam no coração de cada pessoa.

*Por que tanta gente está buscando uma vida simples?
Vivemos com muitas demandas de consumo.
Eu quero isto, eu quero aquilo, aquilo outro e assim por diante. E todo mundo tem muitas demandas e expectativas. Se vivemos ao sabor das demandas externas, tudo o que conseguimos ver em termos de reconhecimento da personalidade humana é o que aparece na superfície, o que é artificial. E vida simples significa vida real. Algumas pessoas pensam que a necessidade da vida é possuir coisas, quando, na verdade, o que realmente importa é possuir valores espirituais. Portanto, quando reafirmamos nossa vida em propósitos de paz, felicidade e amor, caminhamos para a felicidade verdadeira. A conquista de uma vida simples permite que a espiritualidade se desenvolva facilmente. E espiritualidade significa eu usar o meu tempo, o meu dinheiro e a minha energia no caminho do bem.

*E de que maneira podemos seguir esse caminho na prática, levando em conta as dificuldades do dia-a-dia?
Existem três aspectos importantes para o entendimento do que proponho aqui, do que estamos levando adiante com o conhecimento. O primeiro passo é empreender a busca, porque quando faço isso reconheço os territórios internos, em termos de qualidade dos pensamentos, e entendo o que pode ser feito para mudar. Segundo, tenho de conhecer a Deus, ser capaz de ter um relacionamento com o divino, de maneira a estar pronto para receber de Deus o tesouro da paz. Terceiro, eu também preciso entender os movimentos de calma e de ação, assim como o curso e os efeitos de minhas ações. Se eu puder entender essas três coisas, então certamente terei paz verdadeira.

*A senhora vive com pouco?
Posso viver muito bem com três conjuntos de roupas: uma para tudo, outra para alternar na lavagem, uma terceira guardada. Às vezes, quando visito alguém, as pessoas me chamam para mostrar o número de roupas que elas têm, a quantidade de sapatos, as jóias. Eu sinto compaixão por elas, porque seu intelecto certamente está disperso. Todos esses apelos externos nos distraem do real propósito da vida.

*Essa desconexão com o real complica também nossos relacionamentos?
Sim, as demandas externas distanciam as pessoas do que entendemos como qualidade em um relacionamento. É o que deteriora a família, as amizades, e consagra o egoísmo no lugar da verdade. Quando, enfim, complicamos muito a vida, fica difícil tomarmos conta de nós mesmos e, mais ainda, não há como cuidar devidamente de nossos relacionamentos. Bem, eu posso mostrar, com a minha vida, de que maneira é possível alcançar a felicidade e, assim, os outros têm uma referência de como conseguir isso também. Com uma vida simples, posso dar atenção aos outros, cooperar com os outros, porque quando meu coração é honesto, ele se torna grande, generoso.

*É possível manter-se centrado mesmo com o turbilhão de informações produzido por jornais, revistas e televisão?
Eu prefiro viver longe desse fluxo. Porque, se sabe, isso acaba virando um vício. As pessoas acreditam que, lendo jornais ou assistindo TV, estejam apenas buscando informações sobre o que acontece no mundo. Mas, na verdade, tudo isso produz uma grande quantidade de distrações. O cinema, da mesma forma, difunde muitos e muitos maus hábitos. Assim, fica muito difícil, por exemplo, manter uma vida mais contemplativa, pautada na prática da meditação. A natureza humana é muito suscetível. Somos freqüentemente afetados pelo mal. E quase sempre a influência do mal ocorre de maneira muito rápida. Se eu, de fato, quiser me tornar um ser humano em sua plenitude, se esse é meu propósito, devo procurar caminhos diferentes, que não me façam perder tempo e energia.

*Idéias assim são sempre muito inspiradoras. Mas parece um tanto difícil conseguir isso.
A verdade é que há muitos males no mundo de hoje e creio que é mesmo hora de pararmos com isso. Eu tenho o alegre objetivo de, primeiro, fazer da minha vida uma boa vida e manter a mim mesma livre de todas as influências de negatividade do mundo. E há muitas pessoas criando uma vida boa como esta. Gente do mundo todo está reconhecendo que é por meio da espiritualidade que se pode alcançar uma vida plena.

*Vivemos tempos um tanto incertos. Podemos acreditar num bom destino para a humanidade?
Sim, eu acredito que o futuro será bom. Há pessoas buscando uma vida sensata, uma vida simples, e elas servirão de inspiração para os outros, em favor do mundo. E tudo o que é exigido é uma transformação interna, de maneira que possamos ter bons sentimentos, sem nos colocarmos negativamente contra quem quer que seja. Basta que não tenhamos maus sentimentos, que exercitemos a aceitação dos outros, disseminando paz e felicidade.

*É preciso tornar-se um iogue para incorporar essa atitude?
Não necessariamente. Todos aqueles que, através da observação contínua de si mesmos, e através da meditação, experienciam um relacionamento autêntico com Deus, podem se tornar as estrelas brilhantes que iluminam o mundo. Eu acredito que se todos seguirmos juntos assim, poderemos criar o céu aqui na Terra. Mas, primeiro, teremos de criar o céu em nossas mentes. Porque tudo o que acontece neste mundo começa antes no coração dos homens.
Fonte: www.intuição.com



Share/Bookmark

26 de maio de 2015

PARA QUE FAZER CONTORCIONISMOS?




Algumas pessoas quando veem posturas do Yoga ficam curiosas para compreender qual a relação que aparentes posturas circenses tem com a tão comentada paz e tranquilidade do Yoga.
É preciso deixar claro que não é necessário fazer posturas complicadas para alcançar a estabilidade mental. Yoga não é uma ação que você faz, é uma atitude que você cultiva.
É intrínseco à vida momentos agradáveis e desagradáveis. Para a melhora da qualidade de vida precisamos justamente conseguir passar pelos momentos menos agradáveis da melhor maneira possível, pois passar pelos momentos agradáveis é mais fácil.
Mantendo a mente o mais calma possível, evitamos ações impulsivas e facilitamos as ações conscientes. Chamemos os momentos desagradáveis de problemas. É muito mais fácil resolver um problema com a mente estável. Da mesma maneira, para passar pelos momentos menos agradáveis, devemos também manter as emoções o mais positivas possível.
As emoções influenciam na produção de enzimas e hormônios. Emoções negativas tem um impacto químico nocivo às células e por consequência ao sistema imunológico. Se não conseguimos cultivar emoções auspiciosas e uma mente calma, passar pelos períodos menos agradáveis e resolver os problemas fica ainda mais difícil. Portanto, a melhora da qualidade de vida está diretamente ligada a capacidade de cultivar mente tranquila e emoções saudáveis.
É muito mais para a aquisição dessa estabilidade emocional e mental que se pratica Yoga, apesar de um grande número de praticantes atualmente buscar apenas a plena forma física. Plena forma física pode ser atingida com a ajuda de diversas atividades físicas. Já a estabilidade emocional e mental é um assunto pelo qual as tecnologias yoguis se destacam há milênios.
Existem diversas técnicas e métodos yóguicos para a aquisição dessa estabilidade, o Hatha Yoga por exemplo, indica, além de outras técnicas, a prática de ásanas, as posturas psico-físicas do Yoga.
Praticar ásanas tem algumas funções:
Físicas:
Fortalecer os músculos, proteger as articulações, desenvolver flexibilidade, promover alinhamento postural, eliminar toxinas, desenvolver maior consciência e controle corporal e etc.
Psicológicas:
Desenvolver concentração, investigar a ligação corpo-mente-emoções, conhecer as capacidades e limitações, trabalhar os medos e etc.
Para compreender o contorcionismo yogui
Manter mente e emoções estáveis não é uma tarefa tão fácil, por isso, os yoguis do passado perceberam que precisavam de uma estratégia bem definida. Descobriram que é muito mais fácil desenvolver domínio sobre o corpo físico, palpável e visível, e que a concentração necessária para esse domínio é a mesma concentração necessária para a gestão de mente e emoções estáveis. Portanto, o trabalho físico do Yoga é apenas um meio pelo qual se desenvolve mais controle sobre a mente. Ou seja, não se busca plena forma física, mas sim domínio sobre a mente.
Os ásanas mais contorcionistas, bem como os simples, representam um momento de crise. Manter a estabilidade mesmo durante esse momento crítico é um treino para os momentos difíceis que virão na vida real.
Quanto maior a concentração e domínio sobre o corpo, maior a capacidade de manter a mente e emoções estáveis. Quanto mais mente e emoções estão em tranquilidade mas fácil é manter a saúde e o estado de felicidade.
Conclusão 
Cada praticante tem força e flexibilidade diferentes, bem como, tem mais ou menos domínio sobre mente e emoções. Praticar Yoga é tomar consciência de si, descobrir capacidades e limitações e, nesse processo, ampliar as capacidades. Alguns podem perfeitamente fazer posturas complexas e estarem longe de manter estabilidade mental, enquanto outros, mesmo ao fazer posturas aparentemente simples são capazes de manter o domínio sobre a mente e emoções. O Yoga é uma jornada de autoconhecimento. No Yoga não há competição.
Para manter mente e emoções estáveis a respiração tem um papel fundamental no Yoga, mas este é um assunto para um próximo artigo.
Seja saudável, esteja tranquilo e em paz.
Bruno Bartulich    
Fonte:  http://www.yogajournal.com.br/bem-estar/para-que-fazer-contorcionismos/

Share/Bookmark

10 de maio de 2015

RELAXE COM PRANAYAMA




(...) Pranayama , que significa literalmente "para estender a força vital", ou prana, é uma prática incrivelmente rica feita de muitas técnicas de respiração que variam em complexidade desde a simples o suficiente para uma criança  fazer  e  aquelas apropriadas apenas para praticantes avançados. Embora a melhor maneira de praticar pranayama está sob a orientação de um professor experiente, existem técnicas simples, tais como a respiração diafragmática suave que pode ser usada a qualquer momento para transformar não só a sua respiração, mas também o seu estado de mente.

No meu trabalho como terapeuta de yoga, eu trato  pessoas que lutam com uma variedade de problemas, incluindo depressão, ansiedade, distúrbios do sono, dor crônica e doença mesmo com risco de vida. Vi práticas de pranayama simples reduzir o stress e ansiedade; promover o sono repousante; aliviar a dor; aumentar a atenção e foco; e, em um nível mais sutil, ajudar as pessoas a se conectar a um lugar calmo e tranquilo dentro de modo que eles experimentam uma maior clareza e bem-estar em todos os níveis.

No Yoga Sutra , Patanjali descreve pranayama como um processo pelo qual você pode quebrar o seu padrão de respiração inconsciente e tornar a respiração longa e suave. A respiração da maioria das pessoas não é suave; tende a ser tensa, superficial e irregular. Quando estamos com medo ou ouvimos más notícias, suspiramos-inspirando e, em seguida, segurando a respiração. Estes padrões de respiração pode ativar o sistema nervoso simpático (muitas vezes referida como a "combater ou fuga resposta").

Uma das principais razões que as técnicas de pranayama promovem uma exalação longa, suave (como os apresentados aqui) são tão benéficas é porque, quando praticada corretamente, eles podem apoiar o sistema nervoso parassimpático e ativar o que é comumente conhecida como a "resposta de relaxamento , "reduzir o estresse e seus efeitos sobre o corpo e a mente. Como resultado, sua resistência em face da adversidade ou desafio aumenta, e sua mente se torna mais focado e ainda.

Uma mente quieta

Os oito membros do yoga descritos no Sutra Yoga é um caminho para ajudá-lo a alcançar um estado de Yoga, ou concentração focada. Mas esta concentração focalizada não é o objetivo final. Como Patanjali nos diz, o resultado de se chegar a este estado de atenção é que você experimenta percepção mais clara e uma maior conexão com seu verdadeiro Eu.

Quando você estiver conectado com seu verdadeiro Eu, torna-se mais fácil de ver o que não é o seu verdadeiro Self-sua mente, corpo, pensamentos, sentimentos, trabalho, e, essencialmente, todas as mudanças de circunstâncias ao seu redor. Este discernimento lhe permite agir de um lugar do Self, e quando você faz isso, você tem menos sofrimento.

Pranayama é uma ferramenta importante para que você obtenha este estado de concentração mais focado, levando-o a percepção mais clara, uma maior conexão com o Ser, e, finalmente, uma vida mais feliz. No Yoga Sutra 2.52, Patanjali escreve: "Como resultado [de pranayama], a cobertura que bloqueia a nossa própria luz interior é reduzido." Em outras palavras, através da prática de pranayama, você pode reduzir tudo do mental ruído da agitação , distrações, e auto-dúvida que o impede de conectar-se com sua própria luz interior, seu verdadeiro Eu. Desta forma, pranayama pode ter um efeito profundo sobre a sua vida.

Introdução aos Pranayama

Embora a prática de pranayama seja mais seguro e eficaz quando guiado por um professor experiente que conhece suas necessidades e capacidades, existem várias técnicas simples que você pode tentar em casa, enquanto você está em boa .

A respiração diafragmática; Sitali (ou Sitkari) Pranayama; e gentil "exalar estendida" respiração, é uma boa introdução ao pranayama. Cada uma suporta o sistema nervoso parassimpático, acalma a mente e ajuda a trazer um estado de atenção mais focada. Se continuar a praticar estas técnicas ao longo do tempo, você pode começar a notar quando você está sem querer prendendo a respiração ou respirando superficialmente. Você também pode começar a associar padrões de respiração com o seu humor ou estados de espírito. Esta auto-consciência é o primeiro passo em direção a usar as práticas de pranayama para ajudar a mudar seus padrões e, através da prática regular, criar mudanças positivas em sua vida.

Tente cada prática diária por uma semana e observar como isso afeta o seu corpo, respiração e mente, a fim de descobrir o que é melhor para você. Você pode fazê-los em praticamente qualquer hora do dia, embora, de preferência não imediatamente após uma grande refeição.

Percepção da Respiração Básica

Esta introdução suave para a respiração diafragmática ensina a respirar mais plena e conscientemente.

Benefícios

Acalma e acalma o sistema nervoso inteiro, reduzindo o stress e ansiedade e melhorar a auto-consciência.

Experimente

Pelo menos uma vez por dia, a qualquer momento.

Como

Deite-se confortavelmente de costas com os joelhos dobrados e os pés apoiados separados no chão. Coloque a palma da mão sobre o abdômen e respire confortavelmente por alguns momentos, notando a qualidade de sua respiração. Sinta se sua respiração é tensa? desigual? rasa? Basta observar a respiração sem qualquer julgamento. Depois, gradualmente, começar a fazer a sua respiração de forma descontraída e suave quanto possível, a introdução de uma pequena pausa depois de cada inspiração e expiração.

Uma vez que se sente relaxado e confortável, observe o movimento do corpo. Ao inspirar, o abdômen expande naturalmente; ao expirar, sentir a leve contração do abdômen. Em uma maneira delicada, tentar expandir ativamente o abdômen na inspiração e contraia o abdômen na expiração para apoiar o movimento natural do diafragma e experimentar o prazer de dar-se por completo, respiração relaxada. Continue a prática de 6 a 12 respirações.

O Sopro de resfriamento (Sitali / Sitkari Pranayama)

Sitali Pranayama é muitas vezes traduzido como "o sopro de arrefecimento", porque o ato de desenhar o ar em toda a língua e na boca é dito ter um efeito refrescante e calmante sobre o sistema nervoso. Para praticar Sitali, você precisa ser capaz de enrolar os lados de sua língua para dentro de modo que ele se parece com um canudo. A capacidade de enrolar a língua é um traço genético. Se não for possível, tente uma técnica alternativa chamada Sitkari Pranayama, que oferece os mesmos efeitos.

Benefícios

Pode melhorar o foco; reduzir a agitação, raiva e ansiedade; e pacificar excesso de calor no sistema.

Experimente

Duas vezes por dia, ou conforme necessário durante períodos de estresse. Sitali e Sitkari Pranayama são particularmente favorável quando você está se sentindo sonolenta pela manhã ou durante o fim de tarde, quando você precisa para melhorar o seu foco.

Como

Sitali Pranayama

Sente-se confortavelmente, seja em uma cadeira ou no chão, com os ombros relaxados e sua espinha naturalmente ereta. Enrole a língua longitudinalmente, e projete-a para fora da boca para uma distância confortável. Inspire suavemente através da "palha", formado por sua língua enrolada lentamente levantando o queixo em direção ao teto, levantando apenas até o pescoço ficar confortável. No final da inalação, com o seu queixo levantado confortavelmente, retraia a lingueta e feche a boca. Expire lentamente através das narinas abaixando suavemente o queixo de volta para uma posição neutra. Repita para 8 a 12 respirações.

Sitkari Pranayama

Abra a boca ligeiramente com a língua, logo atrás dos dentes. Inspire lentamente através do espaço entre os dentes superiores e inferiores, permitindo a lavagem de ar sobre a língua como você levanta o queixo em direção ao teto. No final da inalação, feche a boca e expire pelo nariz enquanto abaixa lentamente o queixo de volta para a posição neutra. Repita para 8 a 12 respirações.

A longa exalação

Envolve a aumentar gradualmente sua expiração até que seja duas vezes o comprimento do seu inalação, relaxa o sistema nervoso.

Benefícios

Pode reduzir a insônia, distúrbios do sono e ansiedade.

Experimente

Antes de deitar, para ajudar a apoiar o sono, no meio da noite, quando você está lutando com insônia, ou a qualquer momento do dia para acalmar o estresse ou ansiedade. (Em geral, é melhor evitar a prática de 1:2.  É uma prática muito relaxante.

Como

Comece por apoiar suas costas no solo com os joelhos dobrados e os pés apoiados no chão, na largura do quadril. Coloque a palma da mão sobre o abdômen e faça algumas respirações relaxado, sentindo as abdômen expandir na inalação e gentilmente contrair na expiração. Com a palma da mão em seu abdômen, mentalmente conte o comprimento de cada inspiração e expiração por mais alguns respirações. Se a inalação for maior que a expiração, você pode começar a fazer-lhes o mesmo comprimento ao longo das próximas respirações.

Uma vez que sua inspiração e expiração são iguais, gradualmente aumentar a duração da sua expiração por 1 a 2 segundos contraindo suavemente o abdômen. Enquanto a respiração é suave e descontraída, continuar a aumentar gradualmente a exalação por 1 a 2 segundos uma vez a cada algumas respirações. Certifique-se de experimentar nenhuma tensão com o aumento da exalação e continue indo até que sua expiração seja até duas vezes maior que sua inalação, mas não além. Por exemplo, se sua inalação é confortavelmente quatro segundo, não aumente o comprimento de sua exalação para mais de 8 segundos.

Tenha em mente que até mesmo uma exalação que é apenas ligeiramente maior do que a inalação pode induzir um efeito calmante, por isso tome cuidado para que você não se esforce além de sua capacidade. (Se você fizer isso, é provável que você ative o sistema nervoso simpático, ou resposta ao estresse, e sinta-se agitado em vez de calmo.)

Se a sua respiração for desconfortável ou curta, ou se você está ofegando na próxima inalação, recue para uma relação que é mais confortável para 8 a 12 respirações. Em seguida, termine a sua prática com 6-8 naturais, respirações relaxadas.

Kate Holcombe é o fundador e presidente da organização sem fins lucrativos Fundação Cura Yoga em San Francisco.

Fonte: http://www.yogajournal.com/article/practice-section/healing-breath/



Share/Bookmark