23 de março de 2009

HINDUÍSMO


O hinduísmo parece ser a religião mais antiga do mundo. Apresenta características muito peculiares, pois é aberto, tolerante e abrangente a ponto de acolher fiéis de muitas outras filosofias e religiões de todo o mundo, crentes e não-crentes.
A palavra hinduísmo transcende o conceito de religião, fala de prática, de experiência e de filosofia pragmática - aquela que aponta um caminho de técnicas e fórmulas para levar o ser humano ao encontro com o Divino.
No hinduísmo não se tem um fundador, não há uma hierarquia, nem dogmas, não há uma instituição religiosa, nem uma fé única ou comum a todos. A experiência da transcendência (do eu/ego) é e sempre foi desde o tempo dos sábios védicos - que mergulhavam em estados meditativos extraordinários e se iluminavam daí indicavam o trajeto a seus discípulos - a condição mais importante para o hindu. Aqui o homem não está distante, não difere do divino, mas sim ele é potencialmente um ser divino, com possibilidade real de realização.
Muitos deuses ou divindades são cultuados no hinduísmo, que oferece lugar para todos os cultos, desde que se respeite uma premissa: que nenhum deles se apresente como um deus único e absoluto, cuja revelação excluiria os outros. Deus é o todo da criação manifestada, somatória de cada ser ou aspecto da natureza.
Alguns conceitos pertinentes ao Hinduísmo:
Dharma: literalmente "aquilo que aglutina".
É a lei ou a ordem do universo. Também relacionado com a lei interna ou vocação. O hindu Harish Johario define dharma assim: "é a lei inerente à natureza de todos os fenômenos existentes. Aquilo que apóia, o que mantêm unidas as pessoas, isso é dharma. Não é apenas um conjunto de crenças separadas da vida diária, senão um conjunto de princípios para viver uma vida harmoniosa e benéfica. É uma doutrina prática.”.
O termo é muitas vezes confundido com o próprio hinduísmo.
Prakriti e Purusha: O universo, todos os seres e coisas vivas, têm em sua constituição o espírito (Purusha) e a matéria ou a natureza (Prakriti) que permite a manifestação do espírito. Há três gunas ou qualidades que impregnam a matéria ou a natureza:
Sattva - qualidade de pureza, evolução, bem aventurança.
Rajas - imprime movimento à natureza, como os desejos.
Tamas - é o atributo da inércia, o ficar como está, a preguiça.
Tudo na natureza recebe a ação dessas três qualidades, inclusive os seres humanos, variando a proporção.
A trindade: Brahma - o criador, Shiva - o destruidor e Vishnu – preservador.
Brahma é o Criador. Sua contraparte feminina é Saraswati, a deusa da Sabedoria. A criação sem sabedoria não se mantém. Brahma tem quatro cabeças, uma voltada para cada ponto cardeal, representando que ele tem várias visões, uma mente ampla e abrangente. Seu veículo é Hamsa - o cisne.
Vishnu é o preservador, o que sustenta e atrai as coisas que, por um tempo, ficam juntas para poder procriar. Sua shakti, a contraparte feminina, é Lakshmi a deusa da Felicidade ou Prosperidade. É representado com quatro braços para sustentar os quatro cantos do mundo. Seu veículo é Garuda, o pássaro veloz (águia).
Shiva é o destruidor, o que liberta nossa alma das teias da escravidão (dos apegos) e permite a evolução (pela constante transformação). Sua esposa é Parvati, que simboliza a vontade, sem a qual não haveria mudança. Ele dança sobre um ser demoníaco e inferior e se renova na sua própria dança, bem como renova o universo. Esse é seu aspecto conhecido como o bailarino cósmico. Às vezes, Shiva aparece montado num touro, o símbolo da mente que precisa ser dominada. É considerado o Grande Iogue, que busca incessantemente a integração do eu com o Self.
Bagavad-Gita ou “O canto do Senhor” – É o livro sagrado dos hindus. Faz parte do grande poema épico "Mahabharata”, que significa a grande Índia. Revela o pensamento hindu, abordando com ênfase a ação pela ação, ou seja, a ação desinteressada como premissa básica do Karma Yoga e apresenta outros caminhos do Yoga.
Impermanência – Esse conceito é representado pela metáfora do rio Ganges, que sempre flui e cada dia é um. Também pela trindade dos deuses hindus: Brahma - Vishnu e Shiva - mostrando o universo em constante transformação.
Maya ou ilusão – Faz referência à dimensão relativa e aperente do mundo e da vida. O Yoga é um método para retirar paulatinamente os véus da ilusão, ver atrás das aparências, ou seja, ver o essencial.
Samsara - A roda das reencarnações. O pensamento hindu é totalmente reencarnacionista. Nascemos e morremos muitas vezes com o objetivo de evoluirmos até realizarmos nossa essência divina.
Karma – São todos os atos do corpo, da fala e da mente que geram algo de positivo ou negativo - "Que sombra minha eu crio?" Resulta e deriva de nosso fluxo de consciência. Não tem sentido punitivo, mas sim justo e lógico, como uma lei ou como causa e efeito.
Amor/Devoção – O amor abre a porta de nossa relação com o divino. Traz a dimensão do Todo, do "nós" (comunidamente, família, eu-tu). Sofrer é estar ou sentir-se excluído, separado. O hinduísmo fala da ilusão da separatividade como um grande equívoco da nossa forma de ver a realidade. O universo é visto como uma rede em que somos todos ligados.
Iluminação ou auto-realização – Oferece a possibilidade do ser humano transcender (o ego), ascender ao reino divino, tornar-se um com Deus, "voltar à casa do Pai". O hinduísmo orienta o fiel no caminho de sua iluminação.
Castas – Originariamente era uma forma de organizar a sociedade, sem privilegiar uma ou outra casta, mas foi deturpada ao longo do tempo. São elas: brâmanes - a casta dos sacerdotes, os xátrias - os guerreiros e proprietários de terra, vaixás – os comerciantes, sudras ou os trabalhadores braçais. Além dessas há os intocáveis ou párias, também conhecidos por dalits. Esse sistema foi extinto por lei na Índia, mas ainda vive dentro da cultura indiana.
Lucia Maria de Oliveira Nabão


Share/Bookmark

Um comentário:

godrealized disse...

What is Dharma...? "Your right to do what is just and right and not what was destined"! The concept of Hindu dharma as detailed in sacred Bhagavad Gita is integral to all teachings of Hinduism! In absence of Dharma... the whole world simply could not exist! It is this inherent dharma (righteousness) that makes the world go round!

Dharma exists from times immemorial. Even before any religion existed in world... dharma existed! Dharma exists from times life came into existence on mother earth. Following our inner dictates... human beings controlled their life! Dharma is elixir vitae... sap of cosmic system! It is presence of dharma that makes journey of life worthwhile!