7 de agosto de 2009

A Força da emoção

A emoção deveria ser mais bem estudada nas universidades. Ainda é espantoso o grau de ignorância a respeito de algo que controla e domina tão completamente o ser humano. Se nosso cérebro tivesse apenas a inteligência tal como é conhecida, seria muito pouco para toda essa grandeza que o homem é. Se o cérebro é o centro das decisões humanas, a inteligência assim entendida seria insignificante, pois participaria pouco ou quase nada das batalhas humanas. Sempre foi dado muito valor à inteligência, a ponto de se dizer que o homem é um animal racional. Talvez racional seja o que ele menos é. Prefiro dizer que o homem é um animal afetivo, um animal emocional.
Outras inteligências hão de existir além desta dedutiva e matemática, pensava eu, pelo simples fato de que a vida me mostrava cada vez mais que a supremacia da razão colabora muito pouco para o sucesso do homem, visto que tê-Ia e não conseguir aplicá-Ia é igual a não ter racionalidade nenhuma.
A mente, na verdade, é um corpo orgânico com tarefas determinadas, como pensar, sentir, ser e realizar. Tudo isso só é possível com um mínimo de intelectualidade emocional para sustentar seu enorme poder de fogo.
O cérebro, esse desconhecido, é por demais potente, mas é fraco diante da emoção que o domina por completo, tornando-o um mero espectador de seus feitos e "desfeitos".
Nobre aliada da mente, a emoção torna-se inimiga quando não é levada em conta, servindo como arma poderosa contra nós mesmos.
Ela pode ser entendida como um talento que as pessoas têm, com mais ou menos desenvolvimento. Não é um tipo de inteligência, pelo simples fato de que é ilimitada - e pode ser desenvolvida a qualquer momento e ampliada, ao contrário da inteligência cognitiva, que atinge sua melhor condição na idade juvenil e depois começa a decair.
A intelectualidade emocional, ao contrário, está ali para ser desenvolvida em qualquer momento da vida pelo seguro e fácil caminho do movimento. E, por não ter limite, ela pode aumentar, como costuma acontecer, conforme a pessoa vai amadurecendo, ganhando experiência e suporte espiritual, melhorando seu desempenho nas situações do dia-a-dia, enfim, pelo exercício e experiência da vida.
Quanto maior a elevação espiritual, maior o desenvolvimento emocional. A emoção não está presa a neurônios e axônios, como a inteligência, e sim a um entendimento maior de sua capacidade de superação diante das dificuldades do momento. Por isso uma pessoa com maior poder de acreditar em si mesma possui automaticamente mais controle sobre os acontecimentos. Principalmente quando estes são desfavoráveis - é nessas circunstâncias que se desenha o vencedor, já que, quando tudo corre a favor, fica mais fácil ter o controle da situação.
Quanto mais crescer nossa segurança, auto-estima e o poder de acreditar, maior será o desenvolvimento emocional - justamente nisso é que está a grande contribuição do movimento.
Quanto maior controle sobre o movimento você tiver, maior será sua inteligência do movimento. E maior sua vitória sobre o próprio corpo, com uma contribuição mais substancial para o desenvolvimento de seu corpo emocional.
Um atleta inspirado e com domínio completo dessa incrível força consegue atingir o seu ápice, assombrando o mundo. Assim foi com todos aqueles que nos momentos-chave souberam fazer valer essa extraordinária força que vem do mais profundo de seu ser.
Quando colocada a nosso serviço, a emoção nos permite realizar algo sempre além do que a princípio nos julgamos capazes. E quando alguém acredita que pode, pode. Não precisa ser necessariamente o melhor, basta acreditar que pode ser o melhor. Então as coisas que me aconteceram, tudo o que vivi, me fizeram crer que, se alguém se acha capaz, não precisa de mais nada. Mas também não adianta todo o restante do mundo acreditar que ele é capaz se ele próprio não achar isso.
Esse acreditar tem de ser absoluto. Não se pode vacilar: "E se justo nesse dia eu não estiver bem? Se o desempenho não for bom? Se a performance cair?". Esse "se" não pode existir nunca. Simplesmente faça! Não pense! Deixe fluir do fundo de sua alma essa intuição magnífica que nos empurra para a frente. A vida conspira a nosso favor - nós é que conspiramos contra a vida. Mas, quando você se põe a realizar um objetivo, algo ocorre no universo que o impele em direção à vitória. Essa é a sincronicidade que nos rege, na qual muitos ainda não acreditam.
Quantas vezes tive pupilos tenistas que perderam o jogo porque duvidaram, porque permitiram que o "se" minasse sua certeza da vitória. "E se a minha esquerda não sair? Eu nunca consigo mesmo! E se o meu saque não entrar?".
Como o cérebro é burro, tudo o que a pessoa fala o cérebro anota e providencia - e então não consegue acertar mais nenhuma esquerda, os saques não entram, porque ela se programou para dar errado.
O cérebro é uma grande força à nossa disposição. O que quero deixar claro é que acontece um verdadeiro milagre quando você leva ao cérebro uma certeza com emoção. E assim é em qualquer assunto da vida. O impossível é algo que é impossível até que passe a ser possível. É necessário quebrar os tabus, derrubar os paradigmas. Se estes acabam, pode-se alcançar o que quiser.
Quando as realizações concretas com o corpo ocorrem, tornam-se muito fortes em nossa emoção, fazendo-nos entrar em uma outra dimensão espiritual. Abrem-se infinitas possibilidades.
Você tem de acreditar, dar o melhor que pode e deixar fluir. Nós nascemos para a vitória, não para o fracasso. Atingindo esse ponto, não há mais com o que se preocupar, porque a vida conspira sempre a nosso favor. Jamais duvide disso!
Do livro: A Semente da Vitória, de Nuno Cobra
Fonte: http://www.acasadoaprendiz.com/auto_ajuda_13.htm

Share/Bookmark

Nenhum comentário: