28 de setembro de 2009

Tão secreto quanto Deus



O eu interior é tão secreto quanto Deus e, como Ele, escapa a todo conceito que tente apoderar-se dele por completo. É uma vida que não pode ser pega e estudada como um objeto, porque não é “uma coisa”. Não é alcançada nem pode ser persuadida a deixar de se esconder, seja qual for o processo que exista sob o sol, inclusive a meditação. Tudo o que podemos fazer com qualquer disciplina espiritual é produzir dentro de nós um pouco de silêncio, humildade, desinteresse, pureza de coração e desapego que se fazem necessários para que o eu interior faça uma tímida e imprevisível manifestação de sua presença.
The Inner Experience: Notes on Contemplation, de Thomas Merton.
Fonte: http://reflexoes-merton.blogspot.com

Share/Bookmark

Um comentário:

EVELIZE SALGADO disse...

Linda reflexão. Que tenhamos forças para seguir buscando até encontrar nosso único Eu.

Vim agradeer o presente e levá-lo para "casa".

Bjinhos e muito obrigada!!!!