16 de novembro de 2009

Ioga espiritual



O médico americano David Frawley fala como a ioga e a medicina ayurveda podem ajudar no equilíbrio do corpo e da alma à revista Bons Fluidos.
“Espiritualidade e ioga são duas coisas indissociáveis.” A afirmação é do médico americano David Frawley, um dos principais nomes da aiurveda, a tradicional medicina indiana, no Ocidente. Frawley esteve em São Paulo no mês de agosto para o I Congresso Internacional de Yoga e Ayurveda. Para ele, existe hoje uma confusão entre ioga e exercício físico. “Em minha opinião, a ioga tem que ser praticada num ambiente sagrado, e não numa academia, em que as pessoas ficam suando”, diz. Em sua passagem pelo país, ele conversou com BONS FLUIDOS sobre como a ioga e a medicina aiurveda podem ajudar no equilíbrio do corpo e da alma.

[img1]O senhor costuma ressaltar a importância da ioga para a saúde. O que fazer quando alguém não consegue praticá-la?
A pessoa sempre pode fazer algum tipo de ioga. Porque ioga não é só conseguir realizar uma posição muito difícil. O processo mais forte dessa prática é a respiração. É preciso soltar a tensão interna e pegar mais a força da vida para colocar dentro de você. Então todo mundo sempre pode fazer alguma prática: respiração, meditação, concentração e até posturas sentadas bem simples. Não precisa ser nenhum atleta para se beneficiar da ioga.

Quando se fala em meditação, diz-se muito sobre silenciar a mente. Como conseguir isso?
Nossa mente está sempre em movimento. Nunca damos tempo para ela descansar. O que acontece é que há um desgaste, uma exaustão. Então, ela também precisa de um espaço de calma. Isso pode ser conseguido quando você se dá tempo para olhar uma paisagem bonita, apreciar o mar, a montanha. São formas de meditação porque ficamos apenas na contemplação e os pensamentos calam. Você se sente bem, seus problemas desaparecem. Essa é uma meditação feita naturalmente. Trazemos energia para a mente para que ela possa se renovar.

Como o senhor define a mente?
Existem muitas definições para a mente. Na ioga, nós temos um termo chamado chitta (“mente” em sânscrito). Chitta abrange todos os aspectos do campo mental: a intuição, os sentimentos, o raciocínio e o inconsciente. Quando falamos em mente, restringimos esse termo a algo racional. Só que, para a ioga, chitta abrange todo o campo de atuação mental.

Ioga é espiritualidade?
Depende. Um asana (postura) é algo que qualquer um pode fazer. E as pessoas estão vendo a ioga como asanas. Só que o principal da ioga é a meditação e a respiração. Na ioga tradicional, o asana é visto como uma preparação do corpo para que você consiga fazer essa meditação. Na visão moderna, a gente costuma olhar a ioga como se fosse apenas um exercício. A ioga tradicional, que eu considero mais espiritual, inclui também a meditação, os mantras, o olhar para si mesmo. Mas é importante lembrar que a ioga não é a promoção de uma religião. Ela prepara para encontrar o divino em você: ao conseguir colocar a mente num estado de calma e silêncio, é possível levá-la a mente para o divino.
Ioga é experimentar a espiritualidade em nível individual. É para entender a si mesmo e ver o potencial divino que existe em você.

Em que aspecto a espiritualidade colabora com a saúde?
A energia divina é a fonte de vida. Se você não tiver energia, não tem força. Você fica desequilibrado. A razão de nossa vida é desenvolver a espiritualidade. Não é viver mais, não é ser mais feliz. Se não tiver espiritualidade, não haverá vitalidade. Por isso, o objetivo de cada um de nós tem que ser atingi-la. E a espiritualidade da qual falo não é uma coisa abstrata, uma crença. É você prestar atenção na natureza, nas pessoas. Isso nos ajuda a ter uma consciência maior e mais profunda, para que possamos entrar mais fundo neste Universo.
O senhor costuma ressaltar a importância da ioga para a saúde. O que fazer quando alguém não consegue praticá-la?
A pessoa sempre pode fazer algum tipo de ioga. Porque ioga não é só conseguir realizar uma posição muito difícil. O processo mais forte dessa prática é a respiração. É preciso soltar a tensão interna e pegar mais a força da vida para colocar dentro de você. Então todo mundo sempre pode fazer alguma prática: respiração, meditação, concentração e até posturas sentadas bem simples. Não precisa ser nenhum atleta para se beneficiar da ioga.
Quando se fala em meditação, diz-se muito sobre silenciar a mente. Como conseguir isso?
Nossa mente está sempre em movimento. Nunca damos tempo para ela descansar. O que acontece é que há um desgaste, uma exaustão. Então, ela também precisa de um espaço de calma. Isso pode ser conseguido quando você se dá tempo para olhar uma paisagem bonita, apreciar o mar, a montanha. São formas de meditação porque ficamos apenas na contemplação e os pensamentos calam. Você se sente bem, seus problemas desaparecem. Essa é uma meditação feita naturalmente. Trazemos energia para a mente para que ela possa se renovar.
Como o senhor define a mente?
Existem muitas definições para a mente. Na ioga, nós temos um termo chamado chitta (“mente” em sânscrito). Chitta abrange todos os aspectos do campo mental: a intuição, os sentimentos, o raciocínio e o inconsciente. Quando falamos em mente, restringimos esse termo a algo racional. Só que, para a ioga, chitta abrange todo o campo de atuação mental.
Ioga é espiritualidade?
Depende. Um asana (postura) é algo que qualquer um pode fazer. E as pessoas estão vendo a ioga como asanas. Só que o principal da ioga é a meditação e a respiração. Na ioga tradicional, o asana é visto como uma preparação do corpo para que você consiga fazer essa meditação. Na visão moderna, a gente costuma olhar a ioga como se fosse apenas um exercício. A ioga tradicional, que eu considero mais espiritual, inclui também a meditação, os mantras, o olhar para si mesmo. Mas é importante lembrar que a ioga não é a promoção de uma religião. Ela prepara para encontrar o divino em você: ao conseguir colocar a mente num estado de calma e silêncio, é possível levá-la a mente para o divino.
Ioga é experimentar a espiritualidade em nível individual. É para entender a si mesmo e ver o potencial divino que existe em você.
Em
que aspecto a espiritualidade colabora com a saúde?
A energia divina é a fonte de vida. Se você não tiver energia, não tem força. Você fica desequilibrado. A razão de nossa vida é desenvolver a espiritualidade. Não é viver mais, não é ser mais feliz. Se não tiver espiritualidade, não haverá vitalidade. Por isso, o objetivo de cada um de nós tem que ser atingi-la. E a espiritualidade da qual falo não é uma coisa abstrata, uma crença. É você prestar atenção na natureza, nas pessoas. Isso nos ajuda a ter uma consciência maior e mais profunda, para que possamos entrar mais fundo neste Universo.
Ana Holanda
Fonte:  http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/saude/conteudo_391181.shtml

Share/Bookmark

Nenhum comentário: