24 de janeiro de 2010



Esta é a maior das libertações


Desapego significa não possuir, mas sim partilhar, com liberdade, humildade, serenidade e realidade. O desapego deve ser desenvolvido através do entendimento, da consciência da alma para que não seja influenciado, vencido pelo amor limitado. Muitas vezes ficamos presos a um plano denso e perdemos muitas experiências superiores face ao apego. Devemos aprender a utilizar o espírito de doação, deixar surgir o que há de melhor em nós, nos transformar. Precisamos entender que ninguém pertence a ninguém, ninguém nos pertence, que não estamos aqui para possuir coisas ou pessoas. Nós nos agarramos demais a muitas coisas. Criamos problemas porque somos muito possessivos e apegados. Precisamos aprender a “deixar ir”, que não quer dizer descuido ou negligência, assim como desapego não quer dizer indiferença ou distanciamento. É apenas libertar-se dos apegos, de dentro para fora. Não há mudança possível se não nascer de dentro de nós. Querer não basta. Temos que sentir é o sentir que nos faz agir. Reconhecer que nada me pertence nem nunca pertenceu, reconhecer que eu não sou insubstituível na vida de ninguém, reconhecer que todos poderão ser amados e tratados tão, ou melhor, do que quando estavam comigo. Amar sem cobrar, sem esperar, sem exigir, deixar crescer e aprender com as pessoas, agradecendo por poder caminhar ao seu lado, mas sem abandonar o seu próprio caminho. Partilhar, não possuir. Sem deixar de se ser o Ser que se é. Desapego, com humildade, com entrega, com liberdade, com amor.
“Amar é ter um pássaro pousado no dedo.
Quem tem um pássaro pousado no dedo sabe que,
a qualquer momento, ele pode voar”
Rubem Alves


Share/Bookmark

Um comentário:

alegria de viver disse...

Querida
Estou tentando o desapego, acho que é um dos mais dificeis aprendizados, mas também um dos mais bonitos.
Com muito carinho BJS.