22 de abril de 2010



Uma Chave Preciosa


 Muitos já passaram pela experiência de chegar a lugares em que a Natureza exprime grande harmonia e perceberem-se convidados ao silêncio. A Natureza é espontaneamente silenciosa: as plantas crescem em silêncio, o Sol brilha em silêncio, o dia e a noite sucedem-se em silêncio. Mesmo quando os seres e os elementos da Natureza emitem sons, conseguem fazê-lo sem  romper essa condição.
Nos momentos de reencontro com o silêncio temos lampejos da nossa integração na Totalidade. São momentos valiosos, mesmo quando logo depois os condicionamentos e hábitos afirmam o contrário.
A estrutura da civilização moderna afastou-nos do silêncio e, assim, continuamente perdemos a oportunidade de penetrar a via de união com o que há de mais verdadeiro em nosso interior. A agitação e o bulício cotidiano das aglomerações nas cidades enfatizam os aspectos superficiais da existência, postergam o mergulho nas profundezas de uma vida mais ampla. Somos com insistência chamados a colocar a atenção em superficialidades, a valorizar em excesso as aparências; desse modo, pouco a pouco nos deixamos envolver por elas e nos distanciamos de uma percepção mais profunda da vida.
O silêncio é básico para o equilíbrio integral do ser e para sua evolução. Num sentido bem amplo, seu cultivo não implica necessariamente privação do uso da palavra, embora essa prática possa estar incluída de forma moderada. A esse propósito, um filósofo disse que a abstenção de palavras é como a casca de um fruto; a casca não é o fruto, mas o protege enquanto ele cresce. Assim, para chegarmos ao silêncio são requeridas ocasiões de recolhimento, de aquietação dos sentidos, de ausência de envolvimentos externos - ocasiões de união com o mundo interior, com a essência de tudo e de todos.
O silêncio vai agindo dentro de nós com sua energia poderosa e pacificadora. Vai retirando véus, vai revelando-nos o modo de não ficarmos à mercê das influências externas, de reconhecermos a unidade de vida. Aproxima-nos da nossa real expressão e nos leva a permitir a de nossos semelhantes.
Para qualquer pessoa o silêncio é transformador; mas para os buscadores do Espírito ele é a própria luz do caminho.
Trigueirinho 

Share/Bookmark

2 comentários:

Vida*** disse...

Nossa essa imagem da abertura é linda!! Transcende em Luz!! Cda dia um novo aprendizado. União com a Luz interior.Namastê.

REGINA GOULART SANTOS disse...

O silêncio é transformador e a própria luz do caminho... Gostei muito dessa passagem do texto de Trigueirinho.
Para se buscar o eu interior é preciso estar só e em silêncio, o que difere de ficar só mesmo em meio de uma multidão.
A natureza é a essência de tudo de melhor que a vida tem a nos oferecer e ensinar todos os dias.

Beijos de luz