14 de julho de 2010

A PRÁTICA DE DEIXAR IR



Se há coisas que te fazem sofrer, você tem que saber como deixá-las ir. Felicidade pode ser obtida soltando, deixando ir, inclusive deixando ir suas ideias sobre felicidade. Você imagina que certas condições são necessárias para sua felicidade, mas olhando profundamente, se revelará para você que essas noções são exatamente as coisas que ficam no caminho da felicidade e te fazem sofrer.
Um dia, o Buda estava sentado na floresta com alguns monges. Eles tinham acabado de almoçar e já iam começar um compartilhamento sobre o Dharma quando um fazendeiro se aproximou deles. O fazendeiro disse: “Veneráveis monges, vocês viram minhas vacas por aqui? E tenho dezenas de vacas e elas fugiram. Além disso, eu tenho cinco acres de plantação de gergelim e este ano os insetos comeram tudo. Eu acho que vou me matar. Eu não posso continuar a viver assim”.
O Buda sentiu forte compaixão pelo fazendeiro. Ele disse: “Meu amigo, me desculpe, não vimos suas vacas vindo nessa direção”. Quando o fazendeiro se foi, o Buda se voltou para seus monges e disse: “Meus amigos, sabem por que vocês são felizes? Porque vocês não têm vacas para perder”.
Eu gostaria de dizer a mesma coisa para vocês. Meus amigos, se vocês têm vacas, tem que identificá-las. Vocês pensam que elas são essenciais para sua felicidade, mas se vocês praticarem olhar em profundidade, entenderão que são essas mesmas vacas que trazem sua infelicidade. O segredo da felicidade é ser capaz de deixar ir suas vacas, soltá-las. Vocês deveriam chamar suas vacas por seus verdadeiros nomes.
Eu garanto que quando vocês deixarem suas vacas irem embora, vocês experimentarão felicidade porque quanto mais liberdade vocês têm, mais felicidade terão. O Buda nos ensinou que alegria e prazer são baseados na desistência, em deixar ir. “Eu estou deixando ir” é uma prática poderosa. Você é capaz de deixar as coisas irem? Se não for, seu sofrimento continuará.
Você deve ter a coragem de praticar o “deixar ir”, soltar. Você precisa desenvolver um novo hábito – o hábito de concretizar a liberdade. Você precisa identificar suas vacas. Você precisa considerá-las como um vínculo com a escravidão. Você precisa aprender como o Buda e seus monges fizeram, a libertar suas vacas. É a energia da plena atenção que te ajuda a identificar suas vacas e chamá-las por seus verdadeiros nomes.
Thich Nhat Hanh 

Share/Bookmark

6 comentários:

Li disse...

O desapego ainda é muito difícil! Falo por experiência própria. Durante anos, minha vida foi dedicada aos meus filhos, e desempenhei meu papel da melhor forma que me foi possível, porém, esqueci do detalhe que meus filhos cresceriam e chegaria o dia em que iriam seguir cada um seu caminho. Esse desapego foi extremamente sofrido, mas consegui.
Hoje, mais uma vez, o "deixar ir" se faz presente em minha vida... e mesmo tendo alguma experiência, a dor é presente, a saudade é constante e o coração apertado sabe que quando o amor é verdadeiro ele deve ser livre.
Beijo grande!
Elida

Patrícia Melo disse...

Oi querida, concordo com vc. O desapego é um exercício constante em nossas vidas... Esquecemos que tudo é temporário, nos iludimos quanto ao apego a tudo e todos que amamos. Temos que aprender que amar é libertar, que ser humilde é tornar-se grande e que o vazio (que sentimos)é pleno.... pois nos conecta com nossa essência, nossa verdadeira casa, nosso refúgio.
Beijos

Jorge disse...

O desapego é realmente uma atitude difícil de realizarmos. Talvez pela carência, nos apegamos a alguém ou alguma coisa. Sempre acabamos nos justificando para isso.


Um beijo!!

Sandra Nabuco disse...

Olá Patrícia,
pratico o desapego na minha vida e me sinto muito bem!
Vivo somente com o básico e com o que me faz bem!
Me libertei de todas as minhas "vacas"!
Beijinhos!
Obrigada por dividir esse belo post conosco!
Tenha um lindo fim de semana!

Anônimo disse...

Olá,
Estava procurando algo sobre respiração e me deparei com o seu lindo blog, parabéns pois está muito delicado e cheio de reflexões. Lendo essa publicação eu pensei como preciso me desapegar de algumas coisas e como isso está sendo difícil, mesmo assim, sei que vou conseguir, e essa leitura me fez refletir.
Um grande abraço!

Servo, Amigo e Filho disse...

Muito bom texto, fui edificado por suas palavras. Se quiser depois dá uma olhada no meu blog. Abços