18 de agosto de 2010

DIFICULDADES E DESAFIOS DA VIDA



Todas as dificuldades que você enfrenta na vida, todas as provas e tribulações, todos os pesadelos e todas as perdas, são vistos pela maioria das pessoas como desgraça, como castigo de Deus, como algo negativo. Você precisa compreender que nada do que lhe acontece é negativo. Nada. Todas as provas e tribulações, as maiores perdas, são presentes que você recebe. É como malhar em ferro quente. São oportunidades de você se desenvolver. Esse é o único propósito da nossa existência sobre o planeta Terra. Você não se desenvolverá se continuar sentado num belo jardim florido e ser for magnificamente servido em bandeja de prata. Mas se desenvolverá se adoecer, se sentir dor, se sofrer perdas e se, em vez de fechar os olhos à realidade, encarar a dor, não como uma desgraça ou como um castigo, mas como um presente que lhe é dado com um propósito específico. Vou dar um exemplo na área da medicina. Num de meus seminários -- organizamos cursos de uma semana -- havia uma mulher ainda jovem que não se deparara com a morte de um filho, mas com o que chamamos de "pequenas mortes". A seus olhos, não tão pequenas. Quando deu à luz a segunda filha, pela qual tanto ansiara, disseram-lhe sem rodeios que a criança sofria de um acentuado retardamento mental e que nunca chegaria sequer a reconhecê-la como mãe. Assim que soube do fato, o marido a deixou e, súbito, ela se viu às voltas com duas crianças pequenas, absolutamente dependentes, sem dinheiro, sem nenhuma fonte de renda e sem ajuda de quem quer que fosse. Sentiu-se terrivelmente revoltada. Não podia nem sequer ouvir a palavra "retardamento". Passou a odiar a Deus, culpando-o pela situação em que se encontrava. Primeiro, negou Sua existência. Depois, começou a achar que Ele não servia para nada. Por fim, desesperada, passou a implorar que ao menos a criança pudesse receber alguma educação ou reconhecê-la como mãe. Pouco a pouco, começou a descobrir o verdadeiro significado de ter tido essa criança. Vou partilhar com você o modo como, finalmente, essa mãe conseguiu isso. Ela começou a perceber que nada na vida acontece por acaso. Pôs-se a olhar para a filha e a imaginar com que propósito alguém viveria sobre a Terra naquelas condições, quase como um vegetal. E encontrou a solução, que partilho com você aqui, por meio do poema que ela escreveu. Embora sua autora não seja uma poetisa, trata-se de um poema comovente, no qual ela se coloca no lugar da filha, como se esta conversasse com sua madrinha. O poema foi intitulado "À Minha Madrinha".
O que é uma madrinha?
Sei que você é muito especial,
Que esperou muitos meses pela minha chegada.
Você estava lá e me viu com dez minutos de vida,
E tocou minhas fraldas quanto eu tinha poucos dias.
Você sonhava como seria a sua primeira afilhada.
Ela seria precoce como sua irmã,
Você a veria ir para a escola, para a faculdade, e depois casar-se.
Como eu haveria de ser? Faria jus àqueles que me tinham dado a vida?
Deus tinha outros planos para mim. Eu sou apenas eu mesma.
Ninguém jamais usou a palavra "precoce" ao referir-se a mim.
Há algo de errado com a minha mente:
Serei uma criança de Deus o tempo todo.
Sou feliz. Amo a todos, e eles me amam também.
Não sei dizer muitas palavras.
Mas posso me comunicar e compreender a afeição, a cordialidade, a delicadeza e o amor.
Existem pessoas especiais na minha vida.
Às vezes sento-me e sorrio;
Às vezes choro e me pergunto: por quê?
Sou feliz e amada por amigos especiais.
O que mais eu poderia pedir?
Oh, claro, nunca irei para a faculdade, nem me casarei.
Mas não fique triste: Deus me fez muito especial.
Não sou capaz de magoar alguém. Eu só sei amar.
E talvez Deus precise de algumas crianças que simplesmente amem.
Lembra-se de quando fui batizada,
Quando você me segurou, esperando que eu não chorasse e que não me deixasse cair?
Nada disso aconteceu e esse foi um dia muito feliz.
É por isso que você é a minha madrinha?
Sei que é delicada e afetuosa, que me dá amor,
Mas há algo de muito especial em seus olhos.
Vejo esse mesmo olhar e sinto esse mesmo amor da parte dos outros.
Devo ser especial para ter tantas mães.
Não, nunca serei um sucesso aos olhos do mundo.
Mas prometo-lhe algo que poucas pessoas podem prometer.
Já que só conheço o amor, bondade e inocência,
Teremos a eternidade para partilhar, minha madrinha.
Quem escreveu essa poesia foi a mesma mãe que, poucos meses antes, chegou a pensar em deixar o bebê, que ainda engatinhava, perto da piscina e fingir que ia à cozinha, para que a criança caísse e morresse afogada. Espero que você tenha apreciado a mudança que ocorreu com essa mãe. Isso acontecerá com todos vocês, se procurarem olhar os dois lados da moeda com relação a tudo o que se passa na sua vida. Nunca existe um lado só. Você pode ser um doente terminal, pode padecer de uma dor terrível e pode não ter com quem conversar. Pode parecer-lhe injusto que a sua vida seja interrompida no meio, quando ainda nem começou a viver de verdade. Mas procure ver o outro lado da moeda. De repente, você é um dos poucos afortunados que pode deixar de lado essa bobagem toda, que pode chegar para alguém e dizer "Eu te amo", enquanto ainda é tempo. Eles podem dispensar os elogios porque você sabe que está aqui por muito pouco tempo. Finalmente, você pode fazer as coisas que realmente quer fazer. Quantos de vocês de fato trabalham no que gostam de fazer do fundo do coração? Se você não faz o que gostaria de fazer, então vá para casa e mude de trabalho. Você sabe o que estou lhe dizendo? Ninguém é obrigado a fazer o que quer que seja apenas porque alguém diz que deve fazê-lo. Isso é como forçar uma criança a aprender uma profissão para a qual ela não tem vocação. Se você ouvir sua voz interior, sua sabedoria interior que, no que lhe diz respeito, é de longe mais importante do que a de qualquer outra pessoa, não haverá erro e você saberá o que fazer da sua vida. O tempo, então, não terá mais nenhuma importância!
Elizabeth Kubler-Ross, in
A Morte: Um amanhecer
Fonte: http://danielcaixao.multiply.com/journal/item/445

Share/Bookmark

Um comentário:

Anônimo disse...

Si, probabilmente lo e