27 de setembro de 2010

A CRISE, A PRESENÇA E A GRAÇA



Quando a personalidade é uma personalidade integrada existe sintonia entre todos os corpos: físico, emocional, mental e espiritual. A personalidade sente então em si todo o universo e tudo faz sentido. Não há crises. Não há separatividade. As coisas não são más nem boas, são apenas aquilo que são. Há apenas vida. Tudo é a vida a acontecer... sou o sol e o micróbio, sou o cão e a pulga....
A vida não pode ser representada por uma linha reta, e muito menos por uma linha reta permanentemente ascendente. Se pudéssemos representar a vida numa linha, ela teria que ser ondulada.
A personalidade integrada, que transcende a dualidade, vive na eterna e constante Presença: desde o acordar e levantar uma pestana, ao espreguiçar-se, lavar-se, vestir-se, comer, andar, ler, ouvir música, cozinhar, relacionar-se com o mundo e com os outros, tudo passa pelo brilho da presença permanente. O ser é aquilo que é em cada instante em que existe. Vê a vida por um olhar global e abrangente, sem divisões e percebe o que está por detrás da dinâmica de cada ação; não julga, entende e compreende. Mesmo que não aceite, compreende e não se apega. Ninguém se pode apegar àquilo que apenas é. É a nossa condição dualista que nos faz ver o mundo como "bom" ou "mau", a Personalidade Integrada sabe que as coisas são apenas o que são... nem boas, nem más.
Estar e ser totalmente presente é estar-se permeável e receptivo à graça, essa benção divina que nos passa despercebida a maior parte do tempo, porque alienados. Viver nesse estado abençoado é o fruto da prática meditativa que nos ensina a ser Presença em cada momento da nossa existência. Isso é meditação. Toda a nossa vida passa a ser Meditação: começamos por ser observadores de nós próprios e gradualmente a dualidade que caracteriza a nossa existência vai-se transformando na unidade integrada e consciente do observador (nós) e do objeto observado (nós).
Esse é o estado abençoado a que qualquer ser humano consciente pode ambicionar.
Cessam então as "crises"... e, sobretudo, o medo da crise não tem alguma razão de ser.
O medo, tal como todos os sentimentos negativos, são "entidades" criadas pela nossa mente dual e que servem apenas para aumentar "a energia de uma crise imaginada pela nossa mente indisciplinada". Todos os "demônios" são tão reais como todas as espécies de pássaros e flores; apenas num plano diferente de existência de um universo relativo.
Disciplinar a mente é criar condições para ultrapassar essa relatividade e estar aberto e permeável a essa energia abençoada da graça, a qual só pode ser sentida num coração integrado e repleto de gratidão. Gratidão por tudo quanto existe.
Paula Soveral 

Share/Bookmark

Um comentário:

Impermanências disse...

Estou nessa sintonia. Que bom ler textos assim, porque nos auxiliam a manter a atenção plena e os pensamentos afirmativos. Não há crises, além das que a nossa mente nos apresenta.
Namastê!!!