13 de outubro de 2010

OM - Uma Investigação sobre seu misticismo Estética e Filosofia


No Chandogya Upanishad é dito: 

A essência de todos os seres é a Terra.
A essência da Terra é água.
A essência da água é a planta.
A essência da planta é o homem.
A essência do homem é a fala.
A essência do discurso é o Rigveda.
A essência do Rig Veda é o Samveda.
A essência da Samveda é OM. 

Assim OM é a melhor de todas as essências, merecendo o lugar mais alto. Visualmente,  a OM é representado por uma imagem gráfica estilizada. Um conhecimento mais profundo deste símbolo místico revela que ele é composto de três sílabas combinadas em uma só, não como uma mistura física, mas mais como uma combinação química. Na verdade, em sânscrito, o 'a vogal' é constitucionalmente um composto de ditongo a + u, daí OM é representativa escrito como AUM. Apropriadamente, o símbolo da AUM é composto de três curvas (curvas 1, 2 e 3), um semi-círculo (curva 4), e um ponto. A curva com uma grande simboliza o estado de vigília (Jagrat), neste estado da consciência é voltada para fora através das portas dos sentidos. O tamanho maior significa que este é o estado mais comum ("maioria") da consciência humana.
A parte superior - curva 2 - representa o estado de sono profundo (sushupti) ou o estado inconsciente. Este é um estado onde o dorminhoco não deseja nada, nem contempla nenhum sonho. A curva média 3 (que fica entre o sono profundo e o estado de vigília) significa o estado de sonho (swapna). Neste estado, a consciência do indivíduo está voltado para dentro, e contempla a si mesmo, sonhando uma visão fascinante do mundo por trás das pálpebras dos olhos. Estes são os três estados de consciência de um indivíduo, e uma vez que o pensamento místico indiano acredita que a realidade se manifesta a partir desta consciência, estas três curvas representam o fenômeno físico inteiro. O ponto significa o quarto estado de consciência, conhecido em sânscrito como turiya. Neste estado, a consciência parece nem fora nem dentro, nem os dois juntos. Ela significa a vinda para o resto do tudo relativo, a existência diferenciada. Este tranqüilo, pacífico e feliz estado totalmente é o fim último de toda atividade espiritual. Este  estado absoluto ilumina os outros três estados. Finalmente, o semicírculo simboliza a maya e separa o ponto das outras três curvas. Assim é a ilusão de maya que nos impede a realização deste elevado estado de bem-aventurança. O semicírculo está aberto na parte superior, e não toca no ponto. Isto significa que este estado mais elevado não é afetado por maya. Este efeito é o de prevenir o buscador de alcançar seu objetivo final, a realização do Um, onipresente, absoluto, o princípio imanifesto. Desta forma, a forma de Om representa tanto o imanifesto e o manifesto, o númeno e o fenômeno. Como um som sagrado, também, a pronúncia das sílabas AUM três é aberta a uma rica análise lógica. O alfabeto A primeira é considerada como o som primordial, independente de contextos culturais. Ele é produzido na parte de trás da boca aberta, e por isso é dito para incluir e ser incluído em todos os outros sons produzidos pelos vocais de órgãos humanos. A verdade é a primeira letra do alfabeto sânscrito. A boca aberta de A se move para o encerramento das M. Entre é U, formado a abertura de um, mas formada pelo lábio fechado. Aqui há que recordar que, tal como interpretado em relação às três curvas, as três sílabas que compõem AUM são suscetíveis à decifração mesmo metafórica. O estado de sonho (simbolizado por U) situa-se entre o estado de vigília (A) e do estado de sono profundo (M). Na verdade é um sonho, mas o composto da consciência da vida de vigília moldada pela inconsciência do sono. AUM, assim, também engloba dentro de si o alfabeto completo, desde a sua enunciação procede da parte de trás da boca (A), viajando entre (U), e finalmente alcançando os lábios (M). Agora todos os alfabetos podem ser classificadas em várias cabeças, dependendo da região da boca de que são proferidas. As duas extremidades oscilam entre os quais o alfabeto completo são os de trás da boca para os lábios, ambos abraçaram no simples ato de proferir do AUM. A última parte do som AUM (M), conhecido como ma ou makar, quando pronunciada torna a fechar os lábios. Isto é como fechar a porta ao mundo exterior, alcançando o interior profundo nós próprios, na busca da verdade suprema. Mas, para além da natureza tríplice da OM como um som sagrado é a quarta dimensão invisível, que não podem ser distinguidos por nossos órgãos de sentido restrito como são as observações do material. Este é o quarto estado silencioso, silêncio indizível que se segue à colocação em circulação de OM. Um acalmar de todas as manifestações diferenciadas, ou seja, um bem-aventurado e não-dual estado pacífico. Na verdade este é o estado simbolizado pelo ponto na iconografia tradicional da AUM. O simbolismo tríplice da OM é compreensível para os "comuns" de nós seres humanos, significa a  realização, tanto no nível intuitivo e objetivo. Por isso, ele é responsável pela sua popularidade e aceitação. Que este simbolismo se estenda por todo o espectro do universo manifesto tornando-se uma fonte de verdadeira espiritualidade. De acordo com as ciências espirituais indianas. Nossa existência total é constituída desses sons primordiais, que dão origem aos mantras quando organizados por um desejo de se comunicar, se manifestar, invocar ou materializar. A própria matéria é dito que procedia de som e OM é considerado o mais sagrado de todos os sons. É a sílaba que precedeu o universo e de que os deuses foram criados. É a "raiz" da sílaba (Mula mantra), a vibração cósmica que mantém unidos os átomos do mundo e dos céus. Na verdade, o Upanishad diz que AUM é Deus em forma de som. Assim OM é a primeira parte dos mantras mais importantes, tanto no budismo e no hinduísmo, por exemplo, Namah Shivaya Om e Om Mani Padme Hum. Em um maior desenvolvimento da concepção mística do AUM, o Upanishad afirma Mandukya:
AUM é um arco, a seta é o self, e Brahman Absoluto (realidade) é dito ser o alvo.
Outro texto antigo equivale AUM à uma seta, colocada sobre o arco do corpo humano (o fôlego), que depois de penetrar as trevas da ignorância encontra o seu alvo, ou seja, o domínio do verdadeiro conhecimento. Assim como uma aranha sobe e ganha a sua liberdade, o iogue sobe em direção à sua libertação pela sílaba OM.
Conclusão
A qualidade da OM a torna onipresencial, e pode-se emiti-la em qualquer prática espiritual. Como um símbolo onipotente, o iogue que penetra o seu mistério é realmente verdadeiro e onicompetente e como fonte onisciente, é uma inspiração sagrada e mística para o coletivo.
Fonte: http://www.exoticindia.com - trad. pelo google.

Share/Bookmark

Nenhum comentário: