23 de novembro de 2010

APEGO



O que significa eu me apegar a algo?
Todos nós vivemos apegados a uma realidade que vivemos no passado ou há um medo de algo que possamos viver no futuro.
Ou estou aprisionada a infância que tive. As crenças, valores e hábitos que meus pais me passaram.
Ou ainda. Vivo amedrontada com tudo o que posso viver.
Vivo com medo do que possa acontecer comigo ou ainda com as pessoas que amo.
Isto faz com que nós não percebamos o presente, pois, estamos aprisionados a um mundo que nós próprios criamos.
Se eu tive um pai muito rígido na infância, muitas vezes, ainda carrego este pai comigo. Na hora de me expressar, ouço a voz dele me censurando, ou ainda, o “projeto” nos homens que conheço. E percebo todos como sendo muito rígidos.
Por quê? Por que estou apegada àquela imagem, estou apegada à identidade de uma garota assustada. Que por mais sofrimento que me traga é a que conheço. E a que me faz me reconhecer como um ser.
Somos tão apegados a esta realidade interna que construímos que para mantê-las, nós distorcemos, omitimos ou ainda generalizamos aspectos da realidade, dos outros e de nós mesmos.
Isto faz com que as nossas experiências sejam vividas basicamente da mesma forma.
E aí repetimos para nós. Por que isto sempre acontece comigo? Por que as coisas não mudam?
A pergunta correta seria? A que estou tão apegada, que preciso repetir mais e mais vezes a mesma experiência?
Será a uma crença, a uma pessoa do passado, ou ainda a uma ilusão de futuro?
Provavelmente, a um pouco de cada uma destas coisas.
Pois tudo isto, em algum momento, foi necessário e me ofereceu um suporte para viver.  Mas agora, talvez eu não precise mais disto.
Talvez eu possa me desapegar da idéia que tenho a respeito de mim, dos outros e do mundo.
Talvez eu possa mergulhar no vazio do “não saber” para que de fato comece a viver.
Assim, talvez eu possa perceber que cada “Por do Sol” é único. Que cada experiência traz em si algo novo pois de fato, nada está como estava a um segundo atrás.
Pois a cada momento, eu, assim, como todo o universo estou em profunda transformação.
E assim, posso começar a viver na única realidade, que existe. “O aqui e agora”.
Carla Poletti Schmidt – Myonin
Fonte: http://www.monjacoen.com.br

Share/Bookmark

Nenhum comentário: