2 de novembro de 2010

QUEM É VOCÊ



10 pérolas raras, claras e preciosas:
I
Só tem um lugar pra olhar, e ele começa com a pergunta: Quem é você? E acredite: você não é nada que você pense que você seja. Não importa o quão maravilhosa seja a idéia que você tenha de si mesmo, ou horrenda, ou terrível, ou medíocre. Não é questão do adjetivo, a questão é do substantivo. Você não pode ser uma idéia, porque uma idéia pode ser repetida e você é irrepetível. Você não é algo que possa ser apalpado, que possa ser tocado... Qualquer idéia que eu te der, qualquer idéia que você receba, não é o que você é. Porque você é indefinível.
II
Você pensa que você pensa, porque você pensa que você é aquele que pensa. Mas VOCÊ não pensa! Então, convide os pensamentos a ficarem. Por que você tem brigado com os pensamentos? Eles não são seus... Eles são apenas pensamentos... Como os sons dos carros que passam, os sons das vozes... E isso tudo é periférico a VOCÊ.
III
Você não pode encontrar a si mesmo, porque você é o que você está buscando. Com a idéia que lhe foi dada, subtende-se que há alguém que busca, e que tem algo a ser encontrado. Tem um sujeito e tem um objeto. Você pode escolher quem você é: o sujeito ou o objeto. E ainda assim, qualquer escolha que você faça, não é você.
IV
Especular antes de se jogar no abismo é vão! O meu convite é: antes de pensar, te joga! Pensa depois! Esse abismo que eu estou falando é o abismo que você é. Confronte algo, que de alguma forma lhe foi dito que é inacessível e amedrontador - e não esqueça que isso é uma idéia emprestada de alguém.
V
Imagina se para você encontrar a paz, você precisasse que todos os carros parassem, e que todas as vozes se calassem, e que todas as chuvas não chovessem, e todos os dias quentes não fossem dias quentes, e todos os dias frios não fossem dias frios, e todas as dores de barriga não fossem dores de barriga... Assim, você teria uma possibilidade ínfima de realizar a sua paz interior. Pensando assim, você está no caminho errado. Você ainda está olhando para fora.
VI
Se for dito que depois que você encontrar a Verdade você realizará milagres e poderá passear no cosmos... é dado valor, caso contrário, não. Mas observa! Tem algo a acontecer? Disseram a você que algo aconteceria, e você vive à espera de que algo aconteça. E eu estou mais uma vez repetindo: Esse algo é uma idéia. Você não vai ver luzes e nem sentir uma explosão de êxtase. E você tem buscado quem você é, esperando por isso. Mas não se engane! Não há nenhuma idéia que se assemelhe Àquilo o que você é.
VII
De repente você se depara com o vazio, com o indefinível, com o sem-forma, com o sem nome... com o infinito. Que não pode ser medido, sentido ou compreendido. E aí, você fica de cara com Aquilo, e diz: "Não! Não pode ser isso. Isso é um desastre!" Será que é mesmo um desastre? A mente concebe a idéia de algo vazio como vazio; mas será que o vazio é vazio, mesmo? E se o vazio for cheio, e o cheio que a mente concebe for vazio?
VIII
O desejo enche de vazio a sua vida. Quem sabe então, só o vazio enche realmente a sua vida? Questione-se! E não esqueça que o primeiro passo para esse vazio é saber quem é você.
IX
Existe uma tendência em procurar no lugar errado. Você tem que perceber algo que não pode ser percebido, por você ser aquele que percebe. Não tem saída! Por isso: pare de buscar! Pare! Stop! Zera tudo! E não esqueça: não é um zerar, pois não há alguém que zere. Não há nada fora do Todo, fora do Divino, da Essência, da Consciência...
X
Nem mesmo somos separados de Deus, senão uma emanação daquilo que está em descanso... Que se emana, manifesta-se, e que quando termina o processo de manifestação, retorna. Assim como uma onda no corpo do oceano, que sobe e desce... E tudo o que existe é o oceano. Não existe onda! Foi dado um nome a algo que é o próprio oceano. E quando foi dado um nome para aquilo, foi feita uma separação entre a onda e o oceano. E isso explica, talvez, você estar identificado com o seu nome e sua forma.
"A onda descansa nos braços do Oceano"
Satyaprem - Satsang em Salvador/julho 2000
Fonte: http://www.corpomente.net 

Share/Bookmark

Um comentário:

Atena disse...

Está excelente o texto, mas são poucos os que o compreenderão. Ainda falta muito caminho para a humanidade saber quem realmente é.
A confusão entre a essência e a personalidade (fator externo) ainda é grande.Conheci uma pessoa, certa vez, que ficou com medo de canalizar por medo de perder sua individualidade. Como se isso fosse possível.
Paz e luz
Atena