4 de dezembro de 2010

A DOENÇA - RESUMO DA TEORIA



  1. A consciência humana é polarizada. Isso possibilita, por um lado, a capacidade da autopercepção; por outro, nos torna im-perfeitos e incompletos.
  2. O ser humano está doente. A doença é uma expressão da sua imperfeição e, dentro da polaridade, é um acontecimento inevitável.
  3. A doença humana manifesta-se através dos sintomas. Sintomas, portanto, são partes da sombra da nossa consciência que se precipitaram em forma física.
  4. Como um microcosmo, o homem contém em estado latente, na sua consciência, todos os princípios do macrocosmo. Em virtude da sua capacidade de discriminação, o ser humano sempre se identifica apenas com a metade de todos os princípios; a outra metade é relegada à sombra e, desta forma, foge à consciência.
  5. Qualquer princípio não vivido na consciência insiste no seu direito à vida, através dos sintomas físicos. Com nossos sintomas constantemente somos forçados a viver e a concretizar aquelas coisas que não pretendíamos realizar. É assim que os sintomas compensam qualquer unilateralidade.
  6. O sintoma torna as pessoas honestas!
  7. Como sintoma, o ser humano tem aquilo  que lhe faz falta na consciência.
  8. A cura só é possível na medida em que nos conscientizamos dos aspectos ocultos de nós mesmos, que formam a nossa sombra, e na medida em que os integrarmos. Assim que descobrimos o que nos faz falta, o sintoma torna-se supérfluo.
  9. O objetivo da cura é a unicidade e a totalidade. O ser humano é perfeito quando enfim descobre seu verdadeiro self e se torna uno com tudo o que existe.
  10. A doença obriga o ser humano a permanecer na trilha rumo à unidade, e por isso a doença é um caminho para a perfeição.
Thorwald Dethlefsen e Rüdiger Dahlke, in
A doença como caminho 

Share/Bookmark

Um comentário:

Multiolhares disse...

por isso as nossas doenças fisicas se iniciam no plano etério e é lá que são curadas
beijinhos