12 de fevereiro de 2011

POR SUA ALMA



Os Kabbalistas afirmam que a maioria de nós foge do que tem que realizar nesta vida, encontrando desculpas para evitar fazer o trabalho espiritual para o qual nascemos.
Os sábios revelam que quando um homem, que tenha evitado a espiritualidade, comparecer perante o Criador e lhe for perguntado por que não mudou, ele sacará da sua sacola de desculpas: “Eu estava muito ocupado tentando sobreviver”, “Fui uma boa pessoa”, “Eu não sabia que o Senhor realmente existia”. Deus então lhe dirá: “Você tem todas as desculpas, mas não realizou nem perto do suficiente nesta vida. Agora você tem que voltar ao mundo e fazer mais”.
O que é que existe na nossa natureza humana que faz com que evitemos nos estender? A resposta é simples: quando o trabalho espiritual parece compulsório, resistimos. Como você reage quando alguém diz que você deve fazer alguma coisa? As chances são de que você reaja contra aquilo. O mesmo acontece quando dizemos a nós mesmos que “devemos fazer”.
Vamos apagar o “devemos” do nosso vocabulário. O motivo por que fazemos trabalho espiritual é o nosso próprio beneficio. E é importante lembrar que nossa alma encarnou por uma razão específica. A Kabbalah ensina que o ponto principal em sermos humanos reside em nos transformar.
O grande kabbalista, o Netziv (Rav Naftali Zvi Yehuda Berlin, 1816 – 1893), esclarece esse conceito em um discurso feito a seus discípulos:
Quando eu tinha onze anos, era um aluno considerado como causa perdida. Uma noite, escutei meus pais no quarto ao lado conversando sobre mim. Minha mãe estava chorando e dizia a meu pai: “O que vamos fazer com nosso filho? A qualquer momento vão expulsá-lo e então o que será dele?” Ao escutá-la, pude sentir sua angústia bem precisamente, como se fosse minha. Prometi a mim mesmo que daquele momento em diante trabalharia à altura do meu potencial. Mantive minha palavra e cresci e me tornei o erudito que vocês vêem agora à sua frente.
Se eu não tivesse escutado meus pais aquele dia, teria crescido como uma pessoa boa, mas comum, já que minha natureza era aquela. Mas imagine o que teria acontecido depois que eu tivesse deixado este mundo e chegasse ao lugar chamado “Corte Celestial”, onde eles me mostrariam tudo o que eu poderia ter realizado?
A dor que eu teria sentido! Não existe inferno maior do que ver o que poderíamos ter feito, mas deixamos de fazer.
Costumo usar esse discurso como um exemplo para mostrar que precisamos nos impulsionar, para tão longe quanto possível, a fim de sermos o melhor que pudermos ser. E não estou só me referindo às nossas situações de trabalho. Temos um trabalho muito mais importante – a correção da nossa alma.
Sei que depois de estudar e viver a Kabbalah por algum tempo, alguns alunos caem na armadilha de se tornar religiosos: “Devo fazer isso”, “Devo fazer aquilo”. Essa é uma ótima semana para reexaminar por que estamos estudando Kabbalah e para retornar ao contato com o desejo inicial que nos motivou a buscá-la.
Adquira o hábito de separar alguns instantes do seu dia para fechar os olhos e se perguntar “Será que me estendi além das minhas responsabilidades imediatas? Estou seguindo os passos no sentido de realizar o meu propósito neste mundo?”.
Yehuda Berg
Fonte: http://www.3milenio.inf.br/108/_artigo108e.htm    

Share/Bookmark

Um comentário:

Multiolhares disse...

neste mundo tão materializado, esquecemos-nos do espiritual, e é aí que encontramos as leis do universo e o que nos pode fazer crescer interiormente
Bj