26 de fevereiro de 2012

O MESTRE ESPIRITUAL


Uma pergunta foi feita, esta é a verdadeira natureza de um Mestre espiritual, não é? “Sim”, respondeu Amma, “um verdadeiro Mestre espiritual é Amor e Compaixão em sua totalidade. Algumas vezes seu amor se manifesta como disciplina. Normalmente alguma dor será sentida quando alguém está sendo disciplinado, mas a compaixão do Guru remove esta dor. Quando você corrige alguém ou quando você ralha com alguém, o ego dele fica magoado, sua individualidade esmagada. Isto é o que as pessoas detestam.
Eles não querem ser chamados atenção ou ser corrigidos mesmo se eles estiverem errados. Então há dor ao sermos disciplinados. Tanto faz se é o pai disciplinando o filho, a mãe disciplinando a filha ou o professor disciplinando o aluno, a dor é inevitável.
Eles se sentirão feridos e em muitos casos reagirão. Em alguns casos, mesmo que alguém se sinta ferido ele não expressará sua reação. Ele poderá obedecer, mas ao mesmo tempo sentir uma raiva imensa por dentro. Haverá uma dor enorme dentro dele.
Ele irá querer protestar, mas devido ao medo não fará nada. Isto poderá continuar, e a dor, os sentimentos feridos, a raiva e ódio irão se acumulando em sua mente.
Em algum momento este acúmulo de emoções negativas irá explodir. É triste que isto aconteça no processo de se disciplinar alguém, mesmo quando isto é feito com amor.
Mesmo quando a disciplina nasce do amor do pai ou da mãe esta dor continuará em alguns casos sem ser curada. Por outro lado, numa relação Guru-Discípulo, não há sentimentos feridos na mente do discípulo. Não há dor, não há feridas profundas, não há raiva nem ódio na mente do discípulo. A razão é que o Discípulo aceita a disciplina e a zanga do Guru com uma atitude positiva. Ele se rende totalmente ao Guru.
Ele sabe que qualquer coisa que o Guru faça é para o seu bem maior. Mas o fato mais importante é que a compaixão do Guru tem um poder tremendo de curar.
Toda a dor, raiva, ódio e outras emoções negativas serão curadas pela compaixão do Guru. Algumas vezes o discípulo poderá se sentir ferido, sentir raiva do Guru quando o Guru ralhar com ele e o disciplinar. Mas o fluxo de compaixão que transborda do Guru irá curar estas feridas, ajudando o discípulo a ser positivo. A compaixão do Guru faz vista grossa ao ódio e a raiva do discípulo, a compaixão do Guru perdoa tudo.
Esta compaixão suprema envolve o discípulo completamente e aplaca todos os sentimentos negativos. Este efeito aplacador da compaixão do Guru ajuda o discípulo a se sentir relaxado e calmo. Desta forma ele será capaz de receber e absorver a disciplina do Guru com uma atitude positiva. A compaixão faz o discípulo sentir que ele é uma parte do Guru, que ele pertence ao Guru, que o Guru o ama imensamente e que o Guru faz tudo para o seu bem.
Sentindo o fluxo de compaixão do Guru e observando sua renúncia e altruísmo, o discípulo saberá que Ele não pode ser egoísta. Assim o discípulo não irá acumular nenhum sentimento negativo, mesmo que ele venha a sentir dor ou raiva de vez em quando.
Assim o Guru pode disciplinar o discípulo sem deixar que nenhum traço de reação permaneça dentro dele.
O pai ou a mãe não podem remover os traços reativos da mente de seu filho ou filha porque eles não tem compaixão. Porque o amor ainda não desabrochou completamente neles eles são egoístas em suas palavras e ações, assim eles forçam a disciplina em seus filhos; eles forçam suas próprias idéias sobre eles, na maioria das vezes ignorando os sentimentos de seus filhos. Entretanto o Guru não pode forçar a disciplina em seus discípulos porque Ele não é uma pessoa. Ele não é o corpo, Ele não é o ego. Ele é Consciência.
Após castigar ou punir o filho ou a filha por seus erros, o pai ou a mãe pode chamar e tratar seus filhos de uma forma bastante amorosa. Mas o pensamento de que eles ralharam com ele e o forçaram a obedecer continua em suas mentes.
Os pais realmente fazem isso; eles forçam seus filhos a fazerem as coisas de uma certa maneira ou invés de apresentarem um exemplo para eles.
Eles não podem ser de outro jeito porque eles são indivíduos limitados. Eles estão operando a partir de seus egos, eles não podem fazer outra coisa a não ser forçar sua própria vontade sobre o outro, mesmo que eles façam isso em nome do amor. Em nome do amor eles forçam seus egos em seus filhos.
Os filhos sentem isso, então, por fim, mesmo que os pais os tratem amorosa e afetuosamente, os sentimentos feridos permanecem imutáveis. O ódio e a raiva permanecem, não são eliminados.
Na relação Guru-discípulo no entanto é diferente. Após disciplinar o discípulo através de seu amor puro, o Guru o faz sentir calmo e confortável expressando sua compaixão para com ele com uma grande mesura. Isto ajuda o discípulo a ser um grande recebedor, um container muito bom; assim, ele pode continuar a ser receptivo e positivo.
Na relação Guru-discípulo, não há força. A sede do discípulo de ir além das limitações de seu ego, e o amor desinteressado do Guru e seus aconselhamentos compassivos ajudam o discípulo a deixar de nutrir a raiva dentro dele.
Quando alguém vive no amor, quando todo seu ser se transforma em amor, ele se torna compassivo. O amor preenche o coração e transborda dele como compaixão. Neste estado quando a mente e pensamentos são completamente consumidos pelo fogo do Amor Supremo, quando a mente se transforma em espaço (vazio) o que o traz de volta para baixo é a compaixão. A qualidade que faz com que a alma sinta o chamado dos que estão tateando na escuridão é a compaixão. O que mantém o corpo de um Mahatma neste mundo de pluralidade é a compaixão. Amor e compaixão são basicamente a mesma coisa. Eles são dois lados da mesma moeda. A Mãe parou por um momento e durante este tempo um Brahmachari espontaneamente cantou uma canção em honra à Amma. Enquanto cantava, ele derramava lágrimas e alegria e devoção...
Fonte: http://lucio-vergel.blogspot.com/search/label/MATA%20AMRITANANDAMAYI
Imagem: http://mattstone.blogs.com/photos/asian_icons/index.html

Share/Bookmark

Um comentário:

Eduardo Piereck disse...

Sentimentos autênticos são a marca registrada dos que almejam alavancar sua consciência. Tal qual o pássaro em pleno vôo, tome nota de tua garantia e direito, estrelando por tal área demarcada em teu próprio coração. Convido-o a conhecer www.sentidosplenos.blogspot.com